Publicado em Atividades de Articulação - Departamentos

Dia Mundial da Alimentação “O erro de Midas”

Se não mudarmos rapidamente de visão, arriscamo-nos a uma situação insustentável, pois não evitaremos que o sistema alimentar siga o caminho de Midas, que ao ambicionar transformar em oiro tudo em que tocava, ficou sem o que comer!

in Jornal Público de 12/10/2017

Midas

MONTAGEM DE VÍTOR DAUPHINET

Associando-se ao grupo disciplinar de Ciências Naturais e ao Departamento do 1º ciclo, a Biblioteca Escolar comemora o Dia da Alimentação com uma exposição intitulada ” Dia da Alimentação – Um olhar sobre a imprensa…” e também como uma mostra documental alusiva ao tema da alimentação.

O principal objetivo foi alertar a comunidade escolar em geral para o perigo que a industrialização da alimentação acarreta para a saúde, a sua influência em doenças crónicas e no aumento da obesidade. Aliás, o artigo do jornal Público em epígrafe termina com uma recomendação curiosa: “optemos somente pelos alimentos que fossem reconhecíveis pela nossa avó.”

Já na sua edição do dia 11, o mesmo jornal diário alertava para o perigo da obesidade, pois a obesidade infantil é uma questão de saúde pública e vai muito para além de uma questão estética. Em Portugal, cerca de 1/3 das crianças têm excesso de peso e 17% sofrem de obesidade.

Também o Expresso publicou, no passado mês de setembro, um artigo extremamente interessante sobre o consumo de açúcar e a forma como este ingrediente surge em quase todos os alimentos processados de forma mais ou menos dissimulada em palavras como “frutose, glicose, maltose, sacarose e dextrose, mas também xarope de milho, açúcar invertido, xarope de glucose, sumo de fruta concentrado ou melaço, mas a verdade é que todos são sinónimo de açúcar. E por vezes em quantidades muito acima do que se julga. “

O artigo termina afirmando que há inúmeras chamadas de atenção para o perigo da ingestão de produtos açucarados, mas conclui que “este é também o mundo em que muito do que se consome vem em embalagens, em vez de ser cozinhado em casa com alimentos reais.” 

Em suma, a realidade portuguesa parece ser pior do que à partida se julgaria e são vários os estudos que o demonstram, consequência de hábitos alimentares pouco saudáveis decorrentes do afastamento da dieta mediterrânica, em conjunto com a adoção de novos alimentos menos saudáveis no quotidiano. Os números são, de facto,  assustadores, dado que mais de metade da população portuguesa (5,9 milhões de pessoas) é obesa ou está em risco de o ser.

Mito do Rei Midas

Midas era um rei lendário da Frígia, na Ásia Menor. Um dia, quando Dioniso, deus do vinho, da inspiração e do delírio místico, passava pela região, um dos membros do seu séquito permanente, o sátiro Sileno (os sátiros eram seres da natureza, metade homens, metade bodes) perdeu-se da companhia, pois ficou a dormir, muito embriagado. Um grupo de camponeses que o encontrou levou-o ao rei Midas, que o reconheceu, pois era um iniciado no culto de Dioniso, e o acolheu na sua corte, com todas as mostras de franca hospitalidade. Depois foi ele próprio acompanhá-lo até junto do deus. Em recompensa, Dioniso prometeu a Midas satisfazer-lhe um desejo, qualquer que ele fosse, e o rei pediu que tudo aquilo em que tocasse se transformasse em ouro. A satisfação de Midas não podia ser maior ao começar a pôr em prática a sua nova capacidade! Mas a alegria foi de pouca dura, pois, quando sentiu fome e quis comer, todos os alimentos em que pegava se transformavam em ouro e ele não os podia engolir. O mesmo se passava com a água e o vinho. Cheio de fome e de sede, já sem forças, Midas implorou ao deus que lhe retirasse o dom concedido e o deixasse voltar ao estado normal. Dioniso condescendeu e mandou-o ir purificar-se na nascente do rio Pactolo. Midas assim fez: o ouro passou para as águas do rio e ele ficou curado.

in http://www.olimpvs.net/index.php/mitologia/o-mito-de-midas/ ( site consultado em 13/10/2017)
Anúncios
Publicado em Atividades da BE em articulação - 1ºCiclo, Mês Internacional da Biblioteca Escolar

Alunos do 1º ciclo receberam mascote, cruzaram-se com Martim de Freitas e viajaram pelo mundo das fábulas

Nas duas primeiras semanas de outubro realizaram-se, em todas* as 29 turmas do 1º ciclo, sessões de apresentação da mascote das bibliotecas do nosso agrupamento. Foi explorada a simbologia do mocho bem como da chave que faz parte, quer do logotipo do agrupamento, quer da mascote, agora criada. Recorde-se que este processo teve início no ano letivo anterior com o lançamento de um concurso para a criação da mascote das bibliotecas (veja aqui e aqui).

Com a criação de uma mascote e logotipo pretende-se reforçar a empatia, a identidade gráfica e a imagem institucional das bibliotecas junto dos seus utilizadores. A promoção da “imagem corporativa” passará pela utilização do logótipo da BE em todos os documentos impressos, no blogue Pegada de Papel, em newsletters e boletins da BE que possam vir a ser criados, em materiais promocionais diversos, como folhetos, desdobráveis, agendas de atividades, convites, cartazes, marcadores para livros…

Aproveitando a imagem do mocho, estas sessões de promoção da biblioteca, do livro e da leitura, foram complementadas com a apresentação do conto da tradição oral  “O mocho e o lobo”, também conhecido por “Mocho comi”. É importante incentivar as crianças e os jovens a conhecerem estes textos da literatura tradicional de transmissão oral que fazem parte do nosso património imaterial.  Sendo 2018 o Ano Europeu do Património Cultural esta atividade revelou-se ainda mais atual e pertinente.

Registou-se muito boa adesão da comunidade escolar e outras iniciativas se seguirão, integradas no Mês das Bibliotecas Escolares.

*as quatro turmas de 1º ciclo que funcionam na EB2,3, terão sessões na semana de 16 a 20 de outubro.

 

Publicado em Casa das Ciências

Casa da ciência – Revista de Ciência Elementar nº 3

image005

É com prazer que informamos que já se encontra disponível, na Biblioteca Escolar e na Sala de Professores da escola sede do nosso agrupamento, o número 3 do volume 5 da Revista de Ciência Elementar da Casa das Ciências, distribuído gratuitamente pela Rede de Bibliotecas Escolares de Coimbra pela Casa das Ciências.

Esta revista encontra-se disponível também em formato digital pdf e EPUB, podendo ser descarregada a partir do “website” da Casa das Ciências:

 [http://rce.casadasciencias.org/rceapp/].

 

Publicado em Atividades de Articulação- Grupo disciplinar

Día de la hispanidad

IMG_0860

Os alunos da disciplina de Espanhol da Escola vão comemorar este dia com uma exposição de trabalhos no Bloco E e uma mostra documental na Biblioteca de vários autores de reconhecida importância para as literaturas em língua espanhola.

IMG_0854

O Dia Nacional de Espanha, também conhecido como “Día de la Hispanidad,” celebra-se a 12 de outubro. Este dia já foi designado como “Día de la Raza” em Espanha e em muitos países da América Latina, onde se comemora também o 12 de outubro. Ainda conserva a designação de “Día de la Raza” em alguns países, como o México, embora muitos outros países tivessem mudado o nome deste dia. É um dia que une  todos os povos de língua espanhola e as suas culturas com grandes desfiles, bailes, festas, etc. Em muitos destes países, além de Espanha, é uma festa nacional.

O 12 de outubro de 1492 foi também o dia em que Cristóvão Colombo pisou o Novo Mundo.

cartaz

Publicado em Mês Internacional da Biblioteca Escolar

Ligando comunidades e culturas

Concurso de ideias

Agarra este desafio!

MIBE.png

As bibliotecas escolares desempenham um papel cada vez mais determinante na criação e dinamização de comunidades de leitores, de práticas e de aprendizagem, criando pontes e valorizando a diversidade cultural neste mundo globalizado.

Reflete, partilha opiniões e apresenta uma ideia inovadora para a tua biblioteca escolar, sob a forma de um JOGO, até 3 de novembro!

Sê criativo! A melhor ideia transformada em jogo será revelada no dia 30 de novembro.

in http://blogue.rbe.mec.pt/mibe-2017-ligando-comunidades-e-2107460

Publicado em Mês Internacional da Biblioteca Escolar, Sugestões de Leitura

Prémio Nobel da Literatura de 2017

Kazuo Ishiguro

O Prémio Nobel da Literatura de 2017 foi atribuído a Kazuo Ishiguro. Este autor de nacionalidade britânica nasceu, contudo, em Nagasaki, no Japão, a 8 de novembro de 1954. A família emigrou para o Reino Unido quando o escritor tinha apenas cinco anos. Voltou ao Japão natal na idade adulta e, entretanto, estudou Inglês, Filosofia e também Escrita Criativa.

Kazuo Ishiguro começou a carreira literária com a publicação de A Pale View of Hills em 1982 que, à semelhança do segundo romance, An Artist of the Floating World (1986), têm ação em Nagasaki alguns anos após a Segunda Guerra Mundial.

Ishiguro cultivou temas relacionados com a memória, o tempo e o desencanto. O romance Os despojos do dia de 1989 reflete precisamente este tipo de preocupações e foi adaptado ao cinema com uma interpretação memorável de Anthony Hopkins.

Os romances de Ishiguro caracterizam-se por uma linguagem contida. No mais recente Nunca me deixes de 2005, Ishiguro cultiva a ficção científica e evidencia algumas influências musicais, de que é um exemplo notável a antologia de contos intitulada Nocturnes: Five Stories of Music and Nightfall (Nocturnos) de 2009, em que a música tem um papel central na descrição das relações entre as personagens.

No seu último romance, O gigante Enterrado (2015), um casal idoso realiza uma viagem por entre uma paisagem inglesa arcaica, esperando reencontrar um filho que não veem há muitos anos. Este romance explora, de modo fugidio, a forma como a memória se relaciona com o esquecimento, a história com o presente e a fantasia com a realidade.

Além de oito livros, Ishiguro também escreveu guiões para filmes e televisão.

Publicado em Efemérides

Implantação da República – 5 de outubro de 1910

proclamacaoPassam 107 anos desde a implantação da República em Portugal.

Após uma série de escaramuças em diversos pontos da cidade de Lisboa e alguns tiros travados entre um punhado de soldados e meia centena do movimento da carbonária (entrincheirados na Rotunda) e as tropas monárquicas estacionadas no Rossio, o novo regime foi aclamado da varanda dos Paços do Concelho, em Lisboa.

Diversas forças militares sublevaram-se na noite de 3 para 4 de Outubro de 1910 contra a monarquia que vigorava em Portugal.

Após acesos combates o regime monárquico é derrubado e dois dias depois proclama-se a República.

A proclamação da república é feita das varandas da Câmara Municipal de Lisboa na manhã do dia 5 de Outubro de 1910.

Tratou-se do resultado de um longo processo, iniciado no século XIX, que criou na população, especialmente em algumas elites, a vontade de mudar o regime.

Os confrontos, que envolveram civis e militares e a partir do dia 3 de Outubro, dão a vitória ao partido republicano.

No dia 5 o rei e a família abandonaram Portugal, embarcando na Ericeira a caminho do exílio.

                                          in, História Século XX

Na escola sede, a data foi assinalada com uma exposição no Bloco  C e com a distribuição de marcadores alusivos à data.

IMG_0848

Publicado em Atividades de Articulação- Grupo disciplinar

Dia Mundial da Música

O Mês Internacional das Bibliotecas Escolares inicia-se na escola sede com uma atividade de articulação com a disciplina de Música.

À semelhança do que foi realizado nas escolas do 1º ciclo no ano anterior, é a obra de Sergei Prokofiev que estará no centro das sessões na BE, para os alunos do 4º ano, de algumas turmas do 6º ano e também do 8ºD, que decorrerão ao longo da próxima semana durante as aulas de Cidadania.

Além da omnipresença do modo narrativo nas mais diversas manifestações artísticas, do propósito didático que norteou a composição desta peça musical através do conhecimento dos diferentes instrumentos de orquestra, os alunos serão convidados a refletir sobre as consequências dos nossos atos e escolhas e, em última análise, a descobrir por que motivo “Pedro é um rapaz que não tem medo de lobos”.

 Ficha técnica

Pedro e o Lobo

https://filmow.com/ ( consultado em 30 de setembro de 2017)

Publicado em Nações Unidas, Unicef

A maior lição do mundo

A AGENDA GLOBAL 2030

“Os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), a agenda que orientou os esforços globais para o desenvolvimento entre 2000 e 2015, ajudaram a alcançar avanços notáveis que se traduziram na melhoria das condições de vida de milhões de pessoas. Porém, esses progressos não foram iguais para todos, deixando um número imenso de cidadãos, incluindo milhões de crianças, à margem dos benefícios alcançados.

Os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aprovados na Cimeira das Nações Unidas em setembro de 2015, são uma agenda ambiciosa, que deverá ser implementada por todos os países nos próximos 15 anos.

A concretização dos ODS dependerá não apenas do compromisso dos governos, mas também do envolvimento dos cidadãos. As crianças e os jovens são centrais neste apelo global de participação e a escola é essencial para dar a conhecer a nova agenda global, inspirar e incentivar as pessoas a participarem no desenvolvimento das comunidades.
Assim, surge a Maior Lição do Mundo, que visa contribuir para a reflexão e ação no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O Comité Português para a UNICEF e a Direção-Geral da Educação juntaram esforços a fim de promover esta iniciativa e envolver o maior número de crianças a viver em Portugal.”

Promovido em Portugal pela UNICEF em colaboração com o estado português.